Fundação Renova

Taxa de juros do fundo Desenvolve Rio Doce é reduzida em Minas Gerais e no Espírito Santo

Publicado em: 27/05/2019

Economia Local

O fundo é destinado às micro e pequenas empresas localizadas em 35 municípios mineiros e quatro capixabas, impactados pelo rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em 2015, em Mariana (MG)

 

A taxa mínima de juros do Fundo Desenvolve Rio Doce, linha de crédito criada pela Fundação Renova e gerida pelos Bancos de Desenvolvimento de Minas Gerais e do Espírito Santo (BDMG e Bandes), foi reduzida de 0,79% para 0,59% ao mês — uma das menores taxas do mercado. O valor mínimo de contratação é de R$ 10 mil, e o máximo, R$ 200 mil. As empresas têm até 48 meses para pagar o financiamento, com até seis meses de carência para começar a quitar.

O Fundo Desenvolve Rio Doce tem o objetivo de promover o desenvolvimento econômico nos municípios mineiros impactados pelo rompimento da barragem de Fundão. | Foto: Nitro Imagens

Com esses recursos para capital de giro, as empresas podem adquirir insumos, honrar pagamentos dos funcionários, fazer pequenas reformas, comprar mobiliário, dentre outras melhorias para alavancar os negócios.

A linha foi lançada em outubro de 2017, fruto de uma parceria entre a Fundação Renova, o BDMG e o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (BANDES), e tem o objetivo de promover o desenvolvimento econômico nas áreas mais impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão. Até abril de 2019, foram desembolsados pelo BDMG R$ 18,4 milhões para mais de 520 empresas em Minas e R$ 7,7 milhões pelo Bandes para mais de 353 empresas no Espírito Santo.

“A proposta estimula a saúde financeira do empresariado para que possa manter e gerar empregos, além do desenvolvimento dos negócios nestes municípios”, explica Paulo Rocha, líder de Economia e Inovação da Fundação Renova.

De acordo com o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão Suchodolski, o Desenvolve Rio Doce é uma iniciativa bem-sucedida. Ele afirma ainda que, com a redução das taxas, a Fundação e o Banco esperam ampliar o acesso das empresas a esses recursos. “O BDMG é um importante catalisador de investimentos em Minas, pois atua em todo o Estado. Por isso, precisa estar ao lado das empresas por meio de iniciativas como essa. Onde tem crédito e investimentos, sempre haverá um terreno fértil para a geração de emprego e renda, um compromisso do banco”, diz.

Podem aproveitar a redução das taxas de juros as micro e pequenas empresas localizadas nas cidades de: Mariana, Barra Longa, Rio Doce, Santa Cruz do Escalvado, Sem-Peixe, Rio Casca, São Pedro dos Ferros, São Domingos do Prata, São José do Goiabal, Raul Soares, Dionísio, Córrego Novo, Pingo d’Água, Marliéria, Bom Jesus do Galho, Timóteo, Caratinga, Ipatinga, Santana do Paraíso, Ipaba, Belo Oriente, Bugre, Iapu, Naque, Periquito, Sobrália, Fernandes Tourinho, Alpercata, Governador Valadares, Tumiritinga, Galileia, Conselheiro Pena, Resplendor, Itueta e Aimorés, em Minas Gerais, e Linhares, Colatina, Marilândia e Baixo Guandu, no Espírito Santo.

Para solicitar o financiamento em Minas Gerais, a empresa interessada deve acessar o site www.bdmg.mg.gov.br e fazer uma simulação (o limite de crédito é calculado em até uma hora). Se aprovado, a empresa imprime o contrato, preenche e o envia ao BDMG com a devida documentação para conferência.  Com tudo em ordem, a liberação acontece em até três dias úteis.

Já para as empresas capixabas, é preciso procurar os consultores do banco, presentes nas agências Nossocrédito dos municípios afetados no Espírito Santo. Depois, a próxima etapa é o cadastro. Com a documentação correta, o processo segue para análise e aprovação. Mais informações podem ser acessadas no site www.bandes.com.br.

Como opção para solicitar o financiamento, a empresa pode procurar o Correspondente Bancário BDMG mais próximo. A lista está disponível no site ou pelo telefone (31) 3219-8000.

2 comentários

Deixe seu comentário