Fundação Renova

Prorrogadas as inscrições para a chamada por iniciativas de educação para revitalização da bacia do Rio Doce

Publicado em: 11/08/2017

Educação e Cultura

Shymena Nunes Guedes, líder das ações de Educação e Cultura da Fundação Renova, abordou o assunto no último bate-papo ao vivo realizado pela instituição

Com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre a chamada por experiências para a revitalização da bacia do Rio Doce, a Fundação Renova realizou, nesta quinta-feira, 10 de agosto, seu quinto bate-papo ao vivo, desta vez com a líder das ações de Educação e Cultura da instituição, Shymena Nunes Guedes. Abertas desde o fim de julho, as inscrições para a chamada foram prorrogadas até o dia 31 de agosto. Com a mudança, a Renova espera aumentar ainda mais o alcance da ação. “Queremos conhecer pessoas que estejam pensando em modelos de revitalização de bacias e que contribuam para um futuro mais sustentável”, disse Shymena.

Shymena Nunes Guedes esclareceu dúvidas sobre a Chamada por experiências para a revitalização da bacia do Rio Doce no quinto bate-papo ao vivo da Fundação Renova. | Foto: Divulgação

Shymena Nunes Guedes esclareceu dúvidas sobre a Chamada por experiências para a revitalização da bacia do Rio Doce no quinto bate-papo ao vivo da Fundação Renova. | Foto: Divulgação

A líder começou a conversa explicando as etapas de criação do Programa de Revitalização do Rio Doce. “Este chamado é o primeiro passo para a construção do Programa. O planejamento começa em setembro com o encontro de boas práticas. O próximo passo é a oficina colaborativa, onde serão elaboradas as  bases do Programa. Após ser aprovado pelo CIF, ele já poderá ser implementado”, explicou.

Uma das premissas da Fundação Renova é a construção colaborativa de suas ações. No bate-papo, Shymena reafirmou que o objetivo desta chamada é reconhecer e valorizar as experiências de boas práticas de pessoas e instituições que fortalecem a cultura local. “Queremos conhecer gente que cuida e planta floresta e nascente, que estrutura modelos de produção e conservação, que melhora a qualidade da vida e das águas. Queremos conversar com todos que vêm acumulando experiências para o processo de revitalização da bacia do Rio Doce”, afirmou.

Ela também respondeu dúvidas dos participantes. Sobre a atuação dos governos estaduais e municipais na recuperação do Rio Doce, Shymena esclareceu que essas instâncias fazem parte da Camâra Técnica e que também irão participar com suas próprias experiências. “Eles são importantes parceiros na construção do programa.”

Questionada se a chamada é voltada para iniciativas de educação ou se é focada em iniciativas de recuperação de bacias efetivamente, a líder respondeu que compreende os dois aspectos. “Se não tem um processo educacional de troca de conhecimento, ele não se perpetua. Não é possível desassociar a recuperação de um processo de educacional.”

Veja o bate papo na íntegra:

Este conteúdo foi útil para você?

Deixe seu comentário