Fundação Renova

Colatina e Linhares recebem adutoras alternativas de captação de água

Publicado em: 11/11/2016

Abastecimento de Água

Iniciativa faz parte do plano de ações preventivas para o período chuvoso no Espírito Santo

Foram entregues, nos dias 10 e 11 de novembro, duas estruturas alternativas de captação de água para abastecimento no Espírito Santo, sendo uma no município de Colatina e outra em Linhares. As novas adutoras são as primeiras entregas da Fundação Renova, em parceria com o poder público local, e fazem parte de um conjunto de ações de reparação, restauração e reconstrução das áreas e comunidades impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão, que já estão em andamento.

As entregas também integram as iniciativas ligadas ao plano de ações para o período chuvoso da Fundação Renova, composto por medidas preventivas e contingenciais que vêm sendo implantadas para minimizar impactos à sociedade, ao meio ambiente e à atividade econômica nas localidades impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão.

COLATINA

Em Colatina, a nova estrutura, instalada no rio Santa Maria, tem capacidade para atender cerca de 50% da demanda da região Sul do município, devendo ser acionada nos períodos de variação de turbidez das águas do Rio Doce, principal manancial hídrico da cidade.

Com investimento de R$ 3,5 milhões, a adutora captará a água, que será devidamente tratada pela autarquia de saneamento, o Serviço Colatinense de Meio Ambiente e Saneamento Ambiental (Sanear) antes de ser disponibilizada à população.

Segundo Leonardo Deptulski, prefeito de Colatina e presidente do Comité de Bacias Hidrográficas do Rio Doce, “a adutora no Rio Santa Maria simboliza a primeira entrega da Fundação Renova no Espírito Santo, mas não a primeira ação, porque desde o rompimento da barragem até o dia de hoje, muitas ações foram feitas e muitas outras ainda estão por vir. A adutora não veio para substituir a captação no Rio Doce, cuja água está igual ao que era antes do acidente, mas sim para garantir o abastecimento da cidade em caso de necessidade durante o período chuvoso. Tenho certeza que, em parceria com a Fundação Renova, vamos deixar para as futuras gerações um rio Doce diferente e melhor do que temos hoje”.

Ainda como parte das medidas de aprimoramento do sistema de abastecimento público de Colatina, houve melhoria nas infraestruturas para otimizar as principais Estações de Tratamento de Água (ETAs) da cidade, substituindo praticamente 100% dos leitos filtrantes e realizando manutenção preventiva nos decantadores e válvulas de manobra.

João Virgílio, secretário de obras de Colatina; Roberto S. Waack, diretor-presidente da Fundação Renova; Leonardo Deptulski, prefeito de Colatina e presidente do Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Doce; e Sérgio Mileipe, gerente de projetos da Fundação Renova; na nova adutora instalada no rio Santa Maria, em Colatina (ES)

João Virgílio, secretário de obras de Colatina; Roberto S. Waack, diretor-presidente da Fundação Renova; Leonardo Deptulski, prefeito de Colatina e presidente do Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Doce; e Sérgio Mileipe, gerente de projetos da Fundação Renova; na nova adutora instalada no rio Santa Maria, em Colatina (ES). | Foto: Jefferson Rocio

NOVA ADUTORA NO RIO PANCAS

Está em andamento também em Colatina a obra de mais uma adutora – essa no rio Pancas -, que vai abastecer a ETA 2, na parte Norte da cidade. As obras estão 50% concluídas e a previsão é que seja entregue de forma provisória no fim de novembro, já permitindo o transporte de água. Em janeiro de 2017, a adutora do Rio pancas deverá ser entregue em caráter definitivo.

LINHARES

Em Linhares, a nova estrutura foi instalada na Lagoa Nova e também tem capacidade para atender cerca de 50% do consumo da cidade, contribuindo para reduzir a dependência de abastecimento no Rio Pequeno.

A água captada na Lagoa Nova será levada para a Estação de Tratamento de Água (ETA) do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Linhares, de onde será distribuída para o município, que, por sua vez, definirá a melhor forma de utilizar a segunda captação. A captação de água pelo Rio Pequeno continuará sendo feita normalmente e com a mesma qualidade da água fornecida à população antes da passagem da pluma de turbidez, como atestam os laudos contratados pela Fundação Renova e também de órgãos independentes.

Com investimento de R$ 7 milhões, a estrutura está em funcionamento desde o final de setembro, quando teve início a operação assistida, período em que a Prefeitura de Linhares contou com o apoio técnico da Fundação Renova. Todos os prazos seguiram o acordo firmado entre a Renova, a Prefeitura e o Ministério Público Estadual.

Ainda como parte das medidas de aprimoramento do sistema de abastecimento público de Linhares, a Fundação está instalando, em Regência, uma ETA Móvel, que estará em funcionamento até que a obra de reforma da ETA existente, também conduzida pela Renova, seja concluída, em julho de 2017.

“Além da adutora entregue ao município e das demais obras que estão sendo realizadas, a Fundação Renova tem feito um trabalho social muito importante, mantendo um diálogo aberto e franco com a população, com a administração pública e com a Justiça. Tenho certeza que a Fundação Renova nos devolverá um rio Doce muito melhor”, afirma Welio Pompermayer, secretário chefe de Gabinete da Prefeitura de Linhares.

adutora-lagoa-nova-linhares

Nova adutora de Linhares (ES), instalada na Lagoa Nova. | Foto: Jefferson Rocio

Tenha acesso aos releases da Fundação Renova sobre as adutoras de Colatina e Linhares.

3 comentários

    Sobre o problema da água de Colatina

    Responder

    Olá, Uatila. Uma ação integrada entre a Fundação Renova, os governos de Minas Gerais e Espírito Santo, com a participação dos municípios atingidos representados pelo Fórum dos Prefeitos do Rio Doce, destinou R$ 828,5 milhões para investimentos em educação, infraestrutura e saúde na região impactada pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). Os depósitos começaram a ser realizados em agosto de 2020, com a primeira parcela, da ordem de R$ 455,7 milhões. Em janeiro de 2021, foram depositados mais R$ 248,5 milhões. A terceira parcela, da ordem de R$ 124,3 milhões, foi depositada em julho de 2021. Todos os recursos foram repassados pela Fundação Renova para as contas judiciais de estados e prefeituras, conforme cronograma do acordo judicial homologado na 12ª Vara Federal, em Belo Horizonte. A instância também é responsável por liberar os recursos para a execução das obras.
    As ações previstas são executadas pelos entes públicos correspondentes – governos estaduais e prefeituras municipais – com os recursos compensatórios destinados a projetos de impacto coletivo e de longo prazo na bacia do rio Doce. Sendo assim, a Fundação Renova é responsável por efetuar o repasse do investimento, mas a destinação é definida pelos órgãos públicos.

    Em caso de dúvidas, entre em contato com os nossos Canais de Relacionamento, fale pelo telefone 0800 031 2303.

    Responder

Deixe seu comentário